Skip to main content
Uma foto de um cadeirante trabalhando em um escritório corporativo moderno, o foco está no indivíduo e sua cadeira de rodas, mostrando sua determinação e profissionalismo. A imagem representa uma empresa que aplica inclusão pcd.

Inclusão PcD: Transformando Empresas com Diversidade e Inovação

A introdução de pessoas com deficiência (PcD) nas empresas tem se tornado um tema cada vez mais relevante e discutido na sociedade e, principalmente, no ambiente corporativo atual. Então, conhecer e saber como promover inclusão PcD é extremamente importante para aqueles que querem se destacar no mercado.

Segundo dados do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania em parceria com o IBGE, o Brasil tem hoje 18,6 milhões de pessoas com alguma deficiência o que representa 8,9% da população nacional. Portanto, é essencial entender que as empresas, como agentes sociais, desempenham um papel crucial no desenvolvimento e na promoção da inclusão.

Ao proporcionar oportunidades iguais para todos, independentemente de suas limitações, as empresas demonstram empatia e comprometimento com a diversidade. Esta postura, por sua vez, fortalece a marca empregadora e atrai talentos que valorizam ambientes mais plurais e inclusivos.

Dessa maneira, a dificuldade de encontrar vagas para pessoas com deficiência associada à falta de planejamento e preparação das empresas e a uma série de outros desafios, acabam desmotivando os profissionais e dificultando a sua adaptação no ambiente de trabalho.

Qual é a definição de pessoa com deficiência de acordo com a lei?

De acordo com a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, promulgada pelo Decreto nº 6.949/2005, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de longo prazo, de natureza física, mental, intelectual ou sensorial que, em interação com diversas barreiras, podem ter obstruída sua participação plena e efetiva na sociedade, em igualdade de condições com as demais pessoas.

A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI), Lei nº 13.146/2015, também conhecida como o Estatuto da Pessoa com Deficiência, traz o mesmo conceito de pessoa com deficiência. A deficiência sensorial está relacionada a uma disfunção parcial ou total de algum dos cinco sentidos (audição, paladar, visão, olfato e tato).

Art. 2º Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.

É válido ressaltar ainda que as pessoas com deficiência têm direitos garantidos por lei, que visam assegurar sua integração social e cidadania em igualdade de condições com as demais pessoas. Alguns desses direitos incluem:

  • Direito à moradia digna (Art. 31 da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência – LBI)
  • Direito à vida e à saúde (Art. 8º da LBI)
  • Direito à igualdade de oportunidades e não discriminação (Art. 4º da LBI)
  • Direito à proteção contra negligência, discriminação, exploração, violência, tortura, crueldade, opressão e tratamento desumano ou degradante (Art. 5º da LBI)
  • Direito à plena capacidade civil, inclusive para casar-se e constituir união estável (Art. 6º da LBI)
  • Direito à acessibilidade em todos os espaços e serviços públicos e privados (Art. 9º da LBI)
  • Direito à educação inclusiva e de qualidade (Art. 27 da LBI)
  • Direito ao trabalho e à profissionalização (Art. 34 da LBI)

Esses direitos são garantidos pela LBI que tem como base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, ratificados pelo Congresso Nacional por meio do Decreto Legislativo nº 186, de 9 de julho de 2008.

Além disso, é válido pontuar que LBI é um conjunto de dispositivos destinados a assegurar e a promover, em igualdade de condições com as demais pessoas, o exercício dos direitos e liberdades fundamentais por pessoas com deficiência, visando a sua integração social e cidadania, o que, consequentemente, afeta o tema de inclusão PcD em empresas.

O que é a Lei de Inclusão e o que ela implica?

O Brasil possui alguns marcos legais e políticas públicas com o intuito de promover a inclusão PcD na sociedade, como a Lei da Previdência Social (Lei 8.213/1991, artigo 93), que obriga empresas com cem ou mais funcionários a preencher entre 2% e 5% de seu quadro com beneficiários do INSS reabilitados ou pessoas com deficiência.

Além da Lei 12.008/2009, que dá prioridade aos idosos, enfermos e pessoas com deficiência na fila de processos trabalhistas. Em 2015, foi aprovada a Lei 13.146/2015, que ficou conhecida como Lei da Inclusão, por promover condições de igualdade no exercício dos direitos e das liberdades fundamentais para as pessoas com deficiência.

Como podemos perceber, em 1991, 2009 e 2015 foram aprovadas leis que garantem direitos para pessoas com deficiência. O que desencadeia maior segurança para essas pessoas e possibilita inserção social. Uma vez que, a legislação obriga as empresas a realizarem as contratações.

Como fazer a contratação para inclusão PcD?

Segundo pesquisa da Catho, realizada em 2023, com aproximadamente 466 participantes PcDs, a área de Administração se destaca como a principal em termos de atuação, com cargos de Auxiliar representando 21%, Assistente com 8% e operacional com igual percentual de 8%. Em relação a posições de liderança, somente 1% ocupam cargos como Diretoria, Superintendência ou outros de nível hierárquico equivalente.

Ainda de acordo com a pesquisa, quando indagados a respeito de progresso na carreira, 62% dos empregados declaram que não foram promovidos até agora, e 40% pensam que isso se deve à falta de um plano de carreira por parte da empresa.

Dessa maneira, para realizar a inclusão PcD na empresa, é necessário seguir alguns passos, que vão trazer benefícios para todos os envolvidos, como:

1.     Desenvolva uma política de inclusão

É necessário desenvolver uma política interna para que a empresa seja inclusiva de todos os profissionais respeitem uns aos outros independentemente de suas condições físicas ou intelectuais. Criando assim, um espaço de respeito ao próximo.

Quando a cultura da empresa é inclusiva se torna muito mais fácil fazer o processo de on-boarding com novos membros da equipe que tenham deficiências. Evitando que a equipe tenha preconceito e dificuldade de acolher o novo colaborador.

2.     Garanta acessibilidade no processo seletivo

É fundamental que o processo seletivo seja acessível para as pessoas deficientes. Se o processo seletivo é feito em prédio com condições de acessibilidade restritas, por exemplo, fica inviável que o candidato se saia bem no processo.

Afinal, a dificuldade já se inicia justamente na chegada até a sala de entrevista. Portanto, são fatores que precisam ser pontos de atenção para que a equipe de recrutamento não cometa falhas que acabam excluindo ao invés de promover a introdução.

3.     Avalie os candidatos com base em suas competências

Muitos recrutadores cometem um grave erro ao escolher candidatos que tenham deficiências invisíveis, ao invés de focar na capacidade técnica e na competência daquele candidato para ocupar a vaga em aberto. Esse é um preconceito que acaba limitando significativamente o processo de contratação.

4.     Desenvolva a adaptação necessária do ambiente de trabalho

A contratação deve considerar a necessidade de adaptação do ambiente de trabalho para que a pessoa com deficiência possa atuar com conforto e qualidade de vida naquele ambiente. As adaptações precisam ser feitas respeitando a necessidade de cada colaborador.

Dessa forma, serão realmente eficazes para que a performance do novo membro da equipe possa ser a melhor.

Vantagens para as Empresas

A promoção e inserção da inclusão PcD no ambiente corporativo resulta em uma série de benefícios para o negócio, entre os principais pontos, podemos citar:

Reflete valores ESG

O tema não é apenas uma questão de cumprimento legal ou responsabilidade social, mas também uma maneira poderosa de refletir valores ESG (Ambiental, Social e Governança).

Empresas que priorizam a diversidade e a inclusão demonstram um compromisso genuíno com a sustentabilidade social, reforçando sua reputação como organizações socialmente responsáveis. Além disso, ao adotar práticas inclusivas, essas empresas enviam uma mensagem clara ao mercado e aos stakeholders de que estão alinhadas com padrões éticos e de governança, fortalecendo sua posição no cenário corporativo global.

Estimula a inovação

Quando uma empresa contrata um grupo diverso de pessoas para compor o seu time é natural que ocorra um estímulo à inovação. Tendo em vista que, pessoas com realidades diferentes tendem a pensar diferente.

E é justamente esse espaço, onde a diversidade, seja PcD ou de qualquer outra vertente, é acolhida, ouvida e valorizada, que permite a inovação. Afinal, fomenta a criatividade e garante que novas soluções sejam adotadas a partir da convivência entre pessoas diferentes.

Reforça o compromisso social da empresa

Empresas que dão espaço para pessoas com deficiência naturalmente são percebidas positivamente pelo público consumidor porque reforça seu compromisso com o bem-estar da sociedade. Isso contribui para uma reputação de marca ser positiva e sólida no mercado.

Este compromisso com a inclusão é, assim, essencial para organizações que visam um crescimento sustentável e a fidelização de clientes. Afinal, em um mundo cada vez mais consciente e conectado, as empresas são avaliadas não apenas pelos produtos ou serviços que oferecem, mas também pelo impacto social positivo que geram.

Atender aos requisitos legais

Atualmente no Brasil toda empresa com mais de 100 funcionários precisa ter atenção no processo seletivo. Portanto, deixar de contratar profissionais com deficiência é uma falha que pode expor um negócio a multas e sanções legais.

Respeitar a diversidade PcD e a legislação do país é fundamental dentro da estratégia de recrutamento de RH. Atender aos requisitos legais se torna indispensável para que a empresa tenha uma boa reputação e possa funcionar diariamente sem problemas com órgãos fiscalizadores.

Retenção de talentos

Promover um ambiente de respeito e valorização de pessoas é fundamental dentro de qualquer empresa que deseja reter talentos. Diante disso, a adoção de medidas para diversidade PcD na companhia é fundamental.

Justamente para que se possa estimular um ambiente de acolhimento, no qual os colaboradores se sintam respeitados uns pelos outros. A cultura do negócio deve ser refletida no dia a dia, para que se obtenha bons resultados na retenção de talentos.

Desafios da Inclusão de PcD no Ambiente Corporativo

Embora seja um passo fundamental para a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva, a inclusão PcD no mercado de trabalho ainda enfrenta diversos desafios. Abaixo estão cinco deles.

1.      Acesso ao ensino de qualidade

O problema da integração precede as contratações. Na prática, segundo dados do IBGE, 68% da população com deficiência não possui instrução ou não concluiu o ensino fundamental frente a apenas 30,9% quando analisamos pessoas sem nenhuma deficiência.

Assim, essa população necessita de intervenções antes mesmo de sua consideração no mercado de trabalho. É imprescindível implementar medidas que garantam o acesso dessas pessoas à educação, permitindo sua plena integração na sociedade.

2.     Preconceito no ambiente de trabalho

Entre os entrevistados pela Catho, 49% das pessoas já sofreram algum tipo de preconceito no ambiente de trabalho. Sendo 65% desse preconceito vindo de colegas e 54% dos casos vindo de gestores.

Diante do exposto pela pesquisa, é importante perceber que não basta apenas buscar incentivar as contratações. É necessário que as empresas estejam preparadas para atender pessoas com alguma deficiência no ambiente de trabalho.

3.     Adaptação dos espaços de trabalho

Para que uma pessoa com deficiência trabalhe em um ambiente, é importante que o espaço seja adaptado para recebê-la. Portanto, é necessário analisar esse fator antes de iniciar a busca por uma pessoa para o cargo.

Além disso, a adaptação do ambiente não se restringe apenas a questões estruturais, como rampas ou elevadores. É essencial considerar também a disposição dos móveis, a sinalização adequada e a disponibilidade de tecnologias assistivas. Esses detalhes, muitas vezes sutis, podem fazer uma grande diferença na rotina e produtividade do profissional com deficiência, garantindo que ele possa desempenhar suas funções com autonomia e eficiência.

4.     Dificuldade da própria equipe em contratar

Como foi visto anteriormente é muito importante lidar com os preconceitos da equipe. Afinal, alguns colaboradores podem ter dificuldade de contratar pessoas com deficiência e sequer perceberem que estão agindo de forma preconceituosa.

O que demanda que os superiores estejam atentos para a implementação da política de diversidade no negócio, com o intuito de garantir que a empresa realmente siga aquilo que acredita e efetue as contratações que são necessárias para atender demandas legais e de inclusão.

5.     Falta de representatividade

A falta de representatividade PcD em cargos bem remunerados nas empresas é um dos desafios enfrentados pelas pessoas com deficiência. Ainda segundo os dados do IBGE anteriormente citados, as pessoas com algum tipo de deficiência são grande fatia da população.

Todavia, os deficientes não percebem colegas em cargos bem remunerados ou de liderança. Segundo a pesquisa da Catho, anteriormente citada no texto, muitos PcDs observam que as empresas contratam somente para preencher os requisitos legais, o que poderia ter relação com a falta de representatividade em cargos de liderança. 

Dicas para a Inclusão de Pessoas com Deficiência (PcD)

Para que a inclusão PcD funcione em sua empresa, é importante adotar algumas condutas que vão fazer a diferença, como:

Entenda as diferentes deficiências e suas necessidades

A contratação inadequada devido à falta de compreensão das deficiências pode resultar em desperdício de recursos e frustração tanto para o empregador quanto para o candidato. É crucial reconhecer que cada deficiência apresenta suas próprias complexidades e necessidades.

Por exemplo, casos em que gestores não consideraram as adaptações necessárias para pessoas com deficiência visual ou auditiva resultaram em contratações que não atendiam às expectativas de ambas as partes. Ao se aprofundar nas particularidades de cada tipo de deficiência, os recrutadores podem evitar esses erros, garantindo decisões de contratação mais eficazes e inclusivas.

Promova a conscientização

A resistência à diversidade PcD no ambiente de trabalho frequentemente decorre de um entendimento limitado ou equivocado. Há inúmeros casos em que a falta de conscientização resultou em ambientes de trabalho hostis, prejudicando a moral da equipe e levando à perda de talentos valiosos.

Ao compartilhar experiências reais e discutir erros passados, como situações em que preconceitos não reconhecidos afetaram negativamente as decisões de contratação ou a dinâmica da equipe, gestores podem educar e sensibilizar suas equipes de forma mais eficaz.

Ofereça condições de trabalho flexíveis

Em casos em que, por exemplo, a inflexibilidade nos horários ou na estrutura de trabalho resultou na perda de talentos excepcionais, que simplesmente não se encaixavam nos moldes tradicionais.

Essas experiências demonstram a importância de oferecer condições de trabalho flexíveis, adaptando-se às necessidades individuais dos colaboradores. Ao adotar essa abordagem, gestores podem evitar a repetição desses erros, permitindo que cada membro da equipe contribua com o seu melhor, respeitando suas particularidades.

Aprimore a acessibilidade física para todos os profissionais

Em várias ocasiões, a ausência de uma infraestrutura acessível resulta na perda de profissionais talentosos. Por exemplo, empresas que não consideraram as necessidades de acessibilidade de colaboradores com mobilidade reduzida enfrentaram não apenas a saída desses profissionais, mas também questões legais e de imagem.

Esses casos ressaltam a importância de desenvolver um ambiente de trabalho fisicamente acessível para todos. Ao garantir que as instalações sejam inclusivas, gestores não só evitam repetir esses erros, mas também criam um espaço onde todos os profissionais se sintam verdadeiramente acolhidos.

Assegure o apoio dos líderes na adaptação da equipe

A falta de suporte da liderança é um fator crítico que já levou ao fracasso de muitas iniciativas de inclusão. Existem inúmeros casos em que, apesar de políticas inclusivas bem-intencionadas, a ausência de engajamento ativo dos líderes resultou em sua ineficácia.

Líderes engajados são fundamentais para assegurar que as políticas de inclusão PcD, ou de qualquer outra categoria, sejam não apenas implementadas, mas também vivenciadas e respeitadas, criando um ambiente de trabalho verdadeiramente acolhedor e produtivo.

Crie um ambiente de trabalho favorável ao feedback

A ausência de um canal eficaz de feedback já causou inúmeros problemas nas organizações, incluindo mal-entendidos e frustrações que poderiam ter sido evitados. A falta de um ambiente aberto ao feedback já resultou em problemas persistentes de comunicação e descontentamento entre os funcionários, que se sentiam desvalorizados e incompreendidos.

Então, ao estabelecer um espaço seguro para a comunicação aberta, os gestores podem identificar e corrigir problemas de forma mais eficiente, melhorando a satisfação e o engajamento dos colaboradores, além de promover um ambiente de trabalho mais harmonioso e produtivo.

Realize avaliações periódicas

A inclusão não é uma ação pontual. Avaliações regulares garantem que a empresa esteja sempre alinhada com as melhores práticas e identifique áreas de melhoria.

Dessa maneira a inclusão PcD no ambiente corporativo vai além de simples ações isoladas; trata-se de uma abordagem holística que envolve desde a conscientização até a implementação de infraestruturas adaptadas. Cada uma das dicas apresentadas contribui para a construção de um ambiente de trabalho mais inclusivo, diversificado e enriquecedor.

Sobre a Premium

Fundada no início dos anos 90, a Premium Essencial Kitchen se destaca por oferecer muito mais do que simples refeições coletivas para seus clientes. Com um serviço diferenciado, a empresa prima pela qualidade da matéria-prima utilizada, o que garante experiência gastronômica marcante.

Em sua trajetória de três décadas, a Premium Essential Kitchen cresceu por oferecer ao cliente de Refeições Coletivas um atendimento ágil e personalizado, e liberdade de escolha no cardápio, preparado com produtos de qualidade e apresentação elaborada. Atualmente com sede administrativa na cidade de São Paulo e escritório regional em Campinas, a empresa serve 100mil refeições/dia a seus 140 clientes, nos estados de SP, MG, PR e GO.     

Além disso, a Premium é amplamente reconhecida por seus excelentes serviços de Facilities, destacando-se como a parceira ideal para serviços de higienização, manutenção e conservação da limpeza, além de oferecer uma ampla gama de soluções essenciais para o funcionamento eficiente dos negócios. 

Hoje, a empresa Premium pode ser uma grande parceira em iniciativas de ESG (Environmental, Social and Governance). Isso porque ela se preocupa com a qualidade dos produtos e serviços oferecidos, além de proporcionar um atendimento personalizado aos clientes.

Você merece ser Premium, entre em contato. 

Faça um orçamento para ver como podemos ajudar. 

contato@somospremium.com.br 

(11)   3195-4249 

(11) 98960-6055

Sem comentários

Seu e-mail não será publicado.